You are currently browsing the tag archive for the ‘piscina’ tag.

Compreende-me
como um vento vitalício
que escarnece
e chora com gosto de sangue.

come, sorve, absorve

a carne invisível
de textura inexprimível
do agora vazio.
[repleto de inexplicações]

Mais uma garrafa de comedimento
e me jogo na piscina vazia.
de cabeça.

pensava ter água.

Quando se enxerga mal,
confunde-se ar com água.
Transparências também são traidoras.