You are currently browsing the tag archive for the ‘palavra’ tag.

o rio
é a concretude do vento
a palavra,
a do pensamento.

a ida infinita
das reticências não escritas.

Todos os paradoxos
estão nessas duas coisas:

nas águas
e nas palavras em movimento

fluidez
tique-taque

durma.
só o sono
esquece e lembra
esquece e lembra
esquece e lembra

o navio sem barco nem mar

essa é a ideia. o movimento.

Anúncios

Uma  palavra me ergue a mão:
fecho os olhos
e apanho.

Palavra é isto,
exatamente isto:

palavra[s], apenas
a nata que se deita sobre a imagem fervente.

O que vês numa folha:
amores, gentes, solidões, arvoredos, cachecóis,

são apenas palavras.