You are currently browsing the category archive for the ‘prosa’ category.

Não no mesmo barco,
mas no mesmo mar.

não vale virar tempestade.
Te emprestei meu remo,
mas bússola,
cada um tem a sua.

Se oriente como quiser.
vou seguindo o vento
pra dar menos trabalho.

Mergulhar e se afogar é quase a mesma coisa.
a respiração para o deleite
e para a inconsciência.

Quem força o esquecimento e a anestesia sempre adia o momento.

O confronto sempre chega, não importa quando.

Acordou-me, com tapas.
Eu não podia tentar evitar teus erros.
Erros práticos, duros, sinceros, cruéis.
Maravilhosos sinais.
Me confessam da maneira indigerível que eu não devo tentar te salvar.

Salve-se você, Mate-se, Perca-se.

Se faça
refaça
se destrua
se liberte.

Acorde um dia ou nunca.
Desisto rápido.

Briga de tempos incongruentes.

Naveguemos.

Anúncios